La Emancipación en Educación Ambiental: Formación en una Universidad Brasileña

Daniela Cassia Sudan, Vânia Gomes Zuin

Abstract


Based on Critical Theory and Emancipator Environmental Education, the study aimed at analyzing the dialectic of emancipation and its potentials in Environmental Education (EE). The research method was structured following a qualitative, participatory research approach, which includes focus group techniques and documental textual analysis. The category "dialectic of emancipation in the socio-environmental training project" was priorised here, with the sub-categories "emancipation", "emancipator EE", "autonomy" and "freedom". It was observed that the potential emancipator elements include the contradictions in the processes of education and in the bureaucratic and power relations of the institutions that can limitate the autonomy and freedom of individuals, besides the valorization of the experience in collectives in search of the democratization of the EE, as a potential for reflections and critical actions within the HEI.


Keywords


Emancipación. Educación Ambiental Crítica. Educación Superior. Teoría Crítica.

References


Adorno, T. W. (1995). Educação e Emancipação (3rd ed). Rio de Janeiro - RJ: Paz e Terra.

Adorno, T. W. (2010). Teoria da Semiformação. In B. Pucci, A. S. Zuin, &L. A. C. N. Lastória (Eds.). Teoria e Inconformismo: Novas Perspectivas e Pesquisa (pp. 7-40). Campinas - SP: Autores Associados.

André, M. (2001). Pesquisa em educação: buscando rigor e qualidade. Cadernos de Pesquisa, 113, 51-64. Doi./10.1590/S0100-15742001000200003

Brandão, C. R. (1987). Participar-pesquisar. In C. R. Brandão (Eds.). Repensando a Pesquisa Participante (3rd ed., pp. 7-14). São Paulo - SP: Brasiliense.

Brandão, C. R. (2006). A pesquisa participante e a participação da pesquisa: um olhar entre tempos e espaços a partir da América Latina. In C. R. Brandão, & D. R. Streck (Eds.). Pesquisa Participante: a Partilha do Saber (pp. 21-54). Aparecida - SP: Ideias & Letras.

Brasil. Ministério Do Meio Ambiente, Ministério da Educação. (2006). Programa Nacional de Formação de Educadoras(es) Ambientais – ProFEA. Brasília - DF: Secretaria Executiva. Recuperado de: http://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_arquivos/dt_08.pdf

Brügger, P. (1994). Educação ou Adestramento Ambiental? Florianópolis - SC: Letras Contemporâneas.

Carvalho, I. C. M. (2001). Qual educação ambiental? Elementos para um debate sobre Educação Ambiental e extensão rural. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, 2(2), 43-51.

Carvalho, I. C. M. (2006). Atitude, comportamento e ação política: elementos para pensar a formação ecológica. In I. C. M. Carvalho. A Formação do Sujeito Ecológico (2nd ed., pp. 176-191). São Paulo - SP: Cortez.

Carvalho, I. C. M., Farias, C. R. O (2011). Um balanço da produção científica em Educação Ambiental de 2001 a 2009 (Anped, Anppas e EPEA), Revista Brasileira de Educação, 16, 119-134. Doi./10.1590/S1413-24782011000100007

Carvalho, L. M., Tomazello, G., & Oliveira, H. T. (2009). Pesquisa em Educação Ambiental: Panorama da produção brasileira e alguns de seus dilemas. Cedes, 29, 13-27. Doi./10.1590/S0101-32622009000100002

Costa, P. A. & Silva Maia, J. S. (2017). Uma leitura da educação ambiental crítica no periódico Environmental Education Research por meio da revisão sistemática. In IX Encontro Pesquisa em Educação Ambiental. EA e questões epistemológicas. Políticas Públicas, democracia, práticas educativas (0170, pp10). Anais... Juiz de Fora – MG: Universidade Federal de Juiz de Fora. Recuperado de: http://epea.tmp.br/epea2017_anais/list/

Dias, B. C. (2013). Em busca de uma práxis em Educação Ambiental Crítica: Contribuições de alguns pesquisadores do Brasil (Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências). Rio de Janeiro - RJ: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ), Campus Nilópolis.

Dias, C. A. (2000). Grupo Focal: Técnica de coleta de dados em pesquisas qualitativas. Informação & Sociedade, 10, 141-158.

Faria, J. H., & Meneghetti, F. K (2011). Dialética negativa e a tradição epistemológica nos estudos organizacionais. Organizações & Sociedade, 18(56), 119-137. Doi./10.1590/S1984-92302011000100006

Ferraro Junior, L. A. (2014). Incorporação da questão ambiental na universidade vista a partir de dentro da gestão ambiental do Estado. In A. Ruscheinsky, A.F.S. Guerra, M.L. Figueiredo, P.C.S. Leme, V.E.L. Ranieri & W.B.C. Delitti. Ambientalização nas instituições de educação superior no Brasil: caminhos trilhados, desafios e possibilidades (pp. 262-279). São Carlos - SP: EESC/USP.

Ferraro Junior, L. A., & Sorrentino, M. (2005). Coletivos educadores. ln L. A. Ferraro Junior (Eds.). Encontros e Caminhos: Formação de Educadoras(es) Ambientais e Coletivos Educadores, 1, (pp. 57-69). Brasília - DF: MMA, Diretoria de Educação Ambiental.

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa, 7th ed. São Paulo - SP: Paz e Terra.

Goergen, P. (2010). Teoria e ação no GT Educação Ambiental da Anped: partilhando algumas suspeitas epistemológicas. Pesquisa em Educação Ambiental, 5(2), 9-30. Doi./10.11606/issn.2177-580X.v5i2p09-30

Gondim, S. M. G. (2003). Grupos focais como técnica de investigação qualitativa: Desafios metodológicos. Paidéia, 12(24), 149-161. Doi./10.1590/S0103-863X2002000300004

González-Gaudiano, E. J., & Lorenzetti, L. (2009). Investigação em Educação Ambiental na América Latina: Mapeando tendências. Educ. Rev., 25(3), 191-211. Doi./10.1590/S0102-46982009000300010

Grün, M. (1996). Ética e Educação Ambiental: a Conexão Necessária, 11 ed., Campinas - SP: Papirus.

Kant, I. (1985). Resposta à pergunta: o que é esclarecimento? In I. Kant. Textos seletos (2nd ed, pp. 100-117). Petrópolis - RJ: Vozes.

Kind, L. (2004). Notas para o trabalho com a técnica de Grupos Focais, Psicologia em Revista, 10(15), pp. 124-126.

Layrargues, P. P. (2006). Muito além da natureza: Educação Ambiental e reprodução social. In C. F. B. Loureiro, P. P. Layrargues, & R. C. Castro De (Eds.). Pensamento Complexo, Dialética e Educação Ambiental (pp. 72-103). São Paulo - SP: Cortez.

Layrargues, P. P., & Lima, G. F. C. (2011). Mapeando as macrotendências políticos-pedagógicas da educação ambiental contemporânea no Brasil. In VI Encontro “Pesquisa em Educação Ambiental” - EPEA. A pesquisa em Educação Ambiental e a Pós-graduação no Brasil, Ribeirão Preto - SP Anais. (pp.1-15), Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo.

Lima, G. F. C. (1997). O debate da sustentabilidade na sociedade insustentável. Política e Trabalho, 13, 201-222.

Lima, G. F. C. (2002). Crise ambiental, educação e cidadania: os desafios da sustentabilidade emancipatória. In P. P. Layrargues, R. S. Castro, & C. F. B. Loureiro (Eds.). Educação Ambiental: Repensando o Espaço da Cidadania (pp. 109-142). São Paulo - SP: Cortez.

Lima, G. F. C. (2003). O discurso da sustentabilidade e suas implicações para a educação. Ambiente & Sociedade, 6(2), 99-119. Doi./10.1590/S1414-753X2003000300007

Loureiro, C. F. B. (2006). Trajetória e fundamentos da Educação Ambiental. São Paulo - SP: Cortez.

Loureiro, C. F. B. (2007). Emancipação e Complexidade: para o repensar das tendências em educação ambiental. In Ministério do Meio Ambiente. Encontros e Caminhos: Formação de educadoras(es) ambientais e coletivos educadores. Cadernos de Educação, 2, 157-170. Recuperado de: http://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_arquivos/encontros_2.pdf . Aceso en 15 mar. 2016.

Loureiro, C. F. B., Trein, E., Tozoni-Reis, M. F. C., & Novicki, V. (2009). Contribuições da teoria marxista para a educação ambiental crítica. Cadernos Cedes, 29(77), 81-97. Doi./10.1590/S0101-32622009000100006

Maar, W. L. (1995). Educação crítica, formação cultural e emancipação política na Escola de Frankfurt. In B. Pucci (Eds.). Teoria crítica e Educação: a Questão da Formação Cultural na Escola de Frankfurt (2nd ed., pp. 59-82). Petrópolis-RJ: Vozes, São Carlos - SP: Edufscar.

Melo, R. (2011). Teoria Crítica e os sentidos da emancipação. Caderno CRH, 24(62), 249-262.

Moraes, R. (2003). Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, 9(2), 191-211. Doi/10.1590/S1516-73132003000200004

Pucci, B. (2000). Considerações extemporâneas acerca das metodologias qualitativas. Comunicações, 7(1), 255-259.

Santos Filho, J. C., Gamboa, S. S. (Eds.) (2002). Pesquisa educacional: quantidade – qualidade (5th ed.). São Paulo - SP: Cortez.

Santos, A. M. M. (2012). As contradições das relações de produção no cooperativismo da reciclagem: contribuições à práxis socioambiental crítica (Tese Doutorado). Rio de Janeiro - RJ: Instituto de Psicologia - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Sauvé, L. (2000). Para construir un patrimonio de investigación en Educación Ambiental. Tópicos en Educación Ambiental, 2(5), 51-69.

Sauvé, L. (2005). Uma cartografia das correntes de educação ambiental. In M. Sato, & I.C.M. Carvalho (Orgs.). Educação Ambiental - Pesquisas e Desafios. Porto Alegre - RS: Artmed.

Sjöström, J., Frerichs, N., Zuin, V., & Eilks, I. (2017). Use of the concept of Bildung in the international science education literature, its potential, and implications for teaching and learning. Journal Studies in Science Education, 1-28. Doi/10.1080/03057267.2017.1384649

Sorrentino, M. (1991). Educação ambiental, participação e organização. Em Aberto, 10 (49), 46-56.

Sudan, D. C. (2017). Educação Ambiental e Teoria Crítica: A Dialética da Emancipação na Formação Socioambiental de servidores de uma universidade pública do estado de São Paulo. (Tese Doutorado em Educação). São Carlos - SP: Programa De Pós-Graduação Em Educação / PPGE, Universidade Federal de São Carlos.

Tassara, E. T. O., & Ardans, H. O. (2006). Educação ambiental crítica: pesquisa-ação, participação, silêncios e silenciamentos. Pesquisa em Educação Ambiental, 1 (1), 59-71. Doi./10.11606/issn.2177-580X.v1i1p59-71

Tonso, S. (2005). Cardápio de Aprendizagem. In L.A. Ferraro Júnior (Ed). Encontros e Caminhos: Formação de educadoras (es) ambientais e coletivos educadores (Vol. 1, pp. 47-56). Brasília - DF: MMA, Diretoria de Educação Ambiental.

Tonso, S. (2010). A Educação Ambiental que desejamos a partir de um olhar para nós mesmos. Ciência em Foco, 1 (3), 1-15.

Zerbini, F. M. (2008). Emancipação e ambientalismo: um estudo sobre fundamentos para uma Educação Ambiental crítica (Tese Doutorado em Ciência Ambiental). São Paulo - SP: Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental, Universidade de São Paulo.

Zuin, V. G.; Pacca, J. L. A. (2013). Formación docente en química y ambientación curricular: estudio de caso en una institución de enseñanza superior brasilera. Enseñanza de las Ciencias, 31, 77-91.




DOI: http://dx.doi.org/10.17583/remie.2018.3203

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.



REMIE - Multidisciplinary Journal of Educational Research | ISSN: 2014-2862

Depósito Legal: B.34290-2012 | http://remie.hipatiapress.com | remie@hipatiapress.com